sexta-feira, 23 de outubro de 2009

Um Leão Chamado Christian

Autor: Anthony Bourke e John Rendall
Título original: A Lion Called Christian
Editora: Editorial Presença
Páginas: 164
ISBN:
9789722342339
Tradução: Manuela Madureira 


Sinopse: Em 2008, um extraordinário clip de vídeo apareceu no You Tube tornando-se imediatamente um fenómeno internacional. Visto por mais de 44 milhões de pessoas mostra o reencontro comovedor entre dois homens e o seu leão de estimação, Christian, que haviam comprado nos armazéns Harrods, em Londres, quando bebé e devolvido ao seu habitat natural e selvagem em África um ano antes. A acção da obra decorre no final dos anos 60, em que os autores, de nacionalidade australiana, tinham vinte e poucos anos. Com o passar do tempo e o convívio com os humanos, Christian revela-se um animal de trato fácil, dócil e cooperante. Mas Christian cresce depressa e os seus donos recusam-se a entregá-lo a um jardim zoológico ou ao circo. E é assim que surge a ideia de o levar para o Quénia, onde ficaria à guarda de George Adamson, um amante da vida selvagem, que quer começar a reabilitar leões que estejam em cativeiro e devolvê-los ao seu meio natural. Um ano depois Anthony e John decidem reencontrar-se com Christian que os recebeu de "patas abertas", reconhecendo-os e abraçando-os. Um livro destinado a tornar-se um clássico da literatura animal.

Opinião: Não é possível ficar indiferente à história de Christian. Claro que quem tem um animal de estimação e construiu com ele uma relação de amor e amizade ainda se emociona mais (como eu), mas não me parece que esse seja um critério para gostar deste relato. 
O livro lê-se de uma assentada e a escrita é muito fluída e pouco maçadora. Lê-se como se de um artigo de fundo se tratasse. É pormenorizado q.b. no que toca à descrição das situações que permitem o leitor formar uma imagem muito precisa no que diz respeito à personalidade e comportamento de Christian, mas não cansa com detalhes supérfluos ou contextualizações desnecessárias.

A edição inclui inúmeras fotografias, através das quais podemos acompanhar o crescimento de Christian e a sua viagem, desde a sua permanência no apartamento em Londres até à sua chegada a Kora, o seu «reino» em África. 
Aprendi duas coisas ao ler Um Leão Chamado Christian:
1) Que até o amor mais impossível se pode materializar;
2) Que devíamos ser muito menos egoístas e prestar mais atenção ao que nos rodeia, porque neste planeta somos apenas uma das muitas espécies e a nossa «luta» pela sobrevivência em nada se compara às de outras espécies que lutam diariamente para sobreviver em ambientes muito mais hostis do que o nosso (culturalmente adaptado para que não nos falte nada) e contra todas as probabilidades. 

O livro vale a pena por tudo isso e muito mais. É uma viagem incrível, que me ensinou que em Londres, no final dos anos 60, era possível comprar um leão, um puma ou o animal mais exótico que se possa imaginar; que, como em tudo na vida, é preciso ter sorte e encontrar as pessoas certas que façam por nós o impossível (neste caso por um leão); e, por fim, que devemos respeitar a natureza e contribuir para que o tipo de organizações (e pessoas) que permitiram a reabilitação de Christian continuem a ter condições para desenvolver esse tipo de trabalho, nos mais variados níveis e com os vários tipos de animais cujas condições de vida estão cada vez mais precárias - admito que este é um desejo utópico e que ao longo da nossa vida urbana pouco contribuiremos para esta e outras causas afins.

Aqui fica a reflexão que está subjacente a todo o livro: 
"[...] A magia de Christian incita-nos de novo a meditar no inter-relacionamento de todas as criaturas vivas e na urgência da necessidade de acção para a consevação da vida selvagem. Se todos os que nos comovemos com a história de Christian nos juntássemos para resolver algumas das questões enfrentadas pela comunidade global, o que poderíamos conseguir juntos no espírito de amor de Christian e de amor à vida?"
Classificação:  Excelente (9/10)

8 comentários:

Jojo disse...

Olá!
Eu vi o vídeo do reencontro de Christian com os "pais" no youtube. É tão enternecedor!
E claro que quero ler o livro e depois da tua opinião é quase impossível resistir.

Bj*

JM disse...

Lê!!! Por acaso só fui ver o vídeo quando já ia a meio do livro (não consegui mesmo resistir), mas em termos descritivos o livro (para variar) consegue superar aquelas imagens fantásticas.
Bjs*

Jojo disse...

Nas minhas próximas compras vem para casa;)...
O problema vai ser arranjar tempo para o ler.

Em relação ao Pássaros Feridos só te posso desejar uma boa leitura e que gostes dele como eu gostei:P

Bjinhos*

Cristina Bernardes disse...

Já li e também gostei muito.
Até breve!

Migalhas disse...

Mais um para a lista!
Já estava com o livro debaixo de olho, porque tal como a Jojo, já tinha visto o vídeo do reencontro daquela "família" e fiquei maravilhada. Mas agora, depois de ler a tua opinião, ainda mais curiosa fiquei em relação ao livro. Parece ser mesmo excelente!
Bom restinho de fim-de-semana :)

JM disse...

Dentro do género também estou a pensar em ler Alex e Eu; em vez de um leão é um papagaio :)
Bjs*

flicka disse...

Estou plenamente de acordo quanto ao tipo de escrita. É bastante fluida e nada maçadora, explica tudo muito bem, como se estivessemos a visualizar tudo mesmo à nossa frente, como se o leãozinho estivesse connosco ao lado, ao colo, a dar-nos abraços, a brincar... ainda penso no christian, ainda comovida!
Voltarei a visitar-te.

flicka disse...

Esqueci-me de te dizer: apontei o este post na minha opinião. :)